Blog

2 ago
2018

Consumo Consciente: quanto tempo você conseguiria ficar sem fazer compras?

Uma boa pergunta em tempos de promoções, quando você não quer perder o controle das finanças, mas desconhece como seu cérebro pode te atrapalhar!

Hoje ouvimos muito falar em consumo consciente. Mas será que separamos bem esse conceito? Afinal todos nós consumimos o tempo todo!

Vamos ao significado das palavras:

  • Consumo: (substantivo masculino) – o que se gasta; dispêndio, despesa, consumação.
  • Consumismo: (substantivo masculino) – ato, efeito, fato ou prática de consumir (‘comprar em demasia’).
  • Consciência: (substantivo feminino) – conhecimento, convicção, discernimento, compreensão.
  • Inconsciente: (adjetivo de dois gêneros) – que acontece sem que se preste atenção; automático, maquinal, involuntário.

Para falar sobre consumo é preciso falar sobre processo de tomada de decisão. Para isso precisamos entender o funcionamento do nosso cérebro quando o assunto é “tomada de decisão”. Como diariamente tomamos inúmeras decisões, uma média de 35.000 (acordar, levantar… etc etc) nada mais natural que a máquina crie atalhos mentais que facilite o processo, e evite o consumo excessivo de energia com isso.  Vamos falar disso adiante.

Mas primeiro precisamos resgatar quais são os princípios básico do ser humano, o que buscamos: minimizar nossas dores e obter prazer. Seres humanos estão, a todo momento, vulneráveis a esses princípios que guiam suas mentes. Sendo assim, tomar boas atitudes desafia controlar as emoções e nem sempre atender o prazer trará as melhores decisões. Com isso estamos sempre comprando algo para preencher algum vazio, para compensar alguma tristeza ou frustração.

NOSSO CONSUMO É TOTALMENTE EMOCIONAL. COMPRAMOS QUANDO ESTAMOS MUITO TRISTES E TAMBÉM MUITO FELIZES. O PRAZER DAS COMPRAS VEM DA DOPAMINA, HORMÔNIO LIGADO AO NOSSO BEM-ESTAR.

Com isso acabamos comprando muitas coisas por impulso. Em pesquisa realizada pelo SPC 87% dos Brasileiros admitiram compra por impulso e 47% disseram comprar coisas que nunca usaram.

Saber diferenciar o que são necessidades e o que são desejos pode auxiliar muito na visão crítica quanto ao consumo. Se nos tornamos reféns dos nossos desejos, deixamos o impulso assumir a direção e tudo aquilo que sonhamos pode ter que ficar para depois. O planejamento pode falhar. Nesses casos o prazer de comprar pode, inclusive, superar o prazer de ter o bem em si.

Não perdendo de vista que somos seres emocionais, precisamos de algumas técnicas para resistir a tentação das promoções. Vou te contar algumas, anota aí:

  • Ser vigilantes: precisamos estar conscientes do que é desejo e necessidade. O preço tá bom pra quem? Afinal, se a sua conta corrente não comportar aquela compra de maneira tranquila, ainda que com 50% de desconto, o preço estará bom apenas para o logista.
  • Não tome decisão sobre pressão: viu a promoção avalie se aquele item faz sentido pra você. Se ele é realmente insubstituível. Não compre na hora, não ceda a pressão de “só até hoje”! Dê uma volta, pense sobre e ele e volte depois.
  • Nós seres humanos podemos manter o auto controle apenas sobre uma coisa. Então, se está com fome, sono ou outra necessidade básica que tenha que estar se controlando, não invente de fazer compras!! Com certeza não será uma boa ideia.
  • Autoconhecimento: quando buscamos autoconhecimento conseguimos perceber quais situações no nosso dia a dia podem ser o gatilho para o consumo inconsciente. Por exemplo alguma atividade no trabalho, que não nos motive, e como forma de escapar damos uma navegada por sites de compras! Nesse momento, o melhor a se fazer é chamar o colega do lado para um café e mudar de assunto!

 

  • Planejamento: se você realmente precisa de alguns itens e estamos em tempos de promoção: aproveite! Faça um planejamento. Liste o que precisa, faça pesquisa de preço e verifique o seu orçamento disponível. Com essas três atitudes feitas você estará apto a tomar boas decisões a aproveitar os descontos da temporada!

Lembre-se -> os estudos no campo das finanças comportamentais, estão crescendo e a turma do marketing se apropria desse conhecimento para nos seduzir através das nossas fraquezas.

E você? Como se organiza para fazer boas compras?  Me conte nos comentários, eu amo conhecer novas experiências.

Beijos e até a próxima;)

 

a autora

Karina Valadares

Mãe, esposa, profissional de finanças e empreendedora. Dedico minha vida à consultorias financeiras pessoais, assessoria de investimentos e organização de rotina.

saiba mais