6 set
2019

Dinheiro: para aonde o seu está indo? Você pensa sobre isso?

Pensar muito em dinheiro seria maravilhoso se isso resolvesse a nossa dificuldade em tomar sábias decisões com relação a ele

A maioria de nós pensa muito em dinheiro, pra ser honestos quase o tempo todo. O tipo de pensamento varia um pouco, mas estamos sempre ligados a ele. Pensamos: quanto temos; quanto precisamos; como ter mais dinheiro; como cuidar do que já temos; se temos o suficiente; se podemos viver com menos… Enfim, a lista poderia ser gigante!

Na verdade, tomar más decisões nessa área é o natural da nossa espécie. No automático as chances de algo dar errado são grandes!

Justamente por esse motivo é importante sabermos o impacto do dinheiro sobre nossos pensamentos e a partir disso nos “vigiar” para que as coisas fluam melhor, a nosso favor verdadeiramente.

No dia a dia tomamos decisões o tempo todo. Abaixo vou listar os tipos de decisões e algumas dicas de como conseguir acertar em cada uma delas:

1) Grandes decisões: são aquelas relacionadas a grandes aquisições como compra de imóvel, compra de veículo, transição de carreira, mudança de cidade e até mesmo de país, fazer ou não um MBA. Esse tipo de decisão exige um planejamento minucioso e análise criteriosa de pontos positivos, pontos negativos, viabilidade financeira, impacto de fluxo de caixa, custo de oportunidade e custo financeiro. Nesses casos temos de fato uma tendência a tomar uma decisão mais pensada. Conseguimos adiar um pouco mais e analisar melhor. Pelo menos é o que se espera nesses casos nos quais os impactos costumam ser grandes.

2) Pequenas decisões: compra de uma roupa, assinatura de uma revista, contratação de um novo app de músicas. Essas decisões são frequentes em nossas vidas, mas em geral possuem valor financeiro individual pequeno, o que nos faz negligenciar a necessidade de parar e pensar. Eu brinco que aqui pode morar o perigo, pois a somatória de vários valores pequenos pode se tornar um valor significativo. Por isso é preciso conhecimento de quais são essas despesas e se elas trazem prazer duradouro para terem espaço reservado em seu orçamento.

3) Decisões Recorrentes: são aquelas ligadas a hábitos que temos. Por exemplo o cafezinho após o almoço, o sorvete italiano após o almoço, as compras na padaria para lanches no final da tarde, aquela passada na adega do supermercado para ver as promoções da semana e por aí vai. Geralmente, também não paramos para pensar sobre essas decisões. Vamos pelo desejo de manter um hábito já instalado.

O que podemos fazer para modificar essas decisões que somadas podem impactar e muito os nossos resultados.? Anotar tudo o que consumimos é uma estratégia que eu acredito ser falha. Funciona bem nos 15 primeiros dias. Depois falha. Não dá.

O que recomendo é:

  • Faça uma análise durante um mês. Um diagnóstico!
  • Identifique seus pontos fracos e para eles crie estratégias específicas. Limite esses gastos.
  • Para as decisões pequenas, eu sugiro ter um limite global semanal. Isso significa um valor financeiro, de preferência em espécie, que fica na carteira e você consome com esse tipo de coisa. Isso te trará um certo controle do orçamento e permissão para ter esses pequenos luxos, mas não sacrificará seu cérebro a cada sorvete pago.
  • Para grandes decisões, mantenha o hábito de parar e pensar! Cuidadosamente!!!
  • Para gastos recorrentes, avalie quais deles realmente fazem sentido. Quais são utilizados de fato. O quanto eles te proporcionam prazer verdadeiramente e de maneira duradora.

Controlar cada centavo pode ser economicamente sábio, mas é psicologicamente exaustivo. A vida fica chata demais!!!

Então, tenha conhecimento real sobre onde você tem falhado. Crie estratégias efetivas. Faça os pagamentos em dinheiro, respeitando o limite proposto. É preciso conhecer bem o que nos move, quais são os nossos impulsos, como a nossa cabeça funciona na tomada de decisão e ficar vigilante.

Somos seres racionais cujas decisões em sua maioria são tomadas de maneira emocional.

 Queremos a todo custo economizar energia, evitar dores e aumentar o nosso prazer. Por isso vale a pena criar estratégias que te ajudem a economizar energia, sem prejudicar a vida como um todo!

 

Beijos e até a próxima!

 

a autora

Karina Valadares

Mãe, esposa, profissional de finanças e empreendedora. Dedico minha vida à consultorias financeiras pessoais, assessoria de investimentos e organização de rotina.

saiba mais

Outras Postagens