Blog

6 dez
2017

Vida a dois e finanças

Afinal qual é a dificuldade?

Ao longo do tempo eu percebi que na vida a dois a maior parte do tempo que falamos um com o outro é sobre logística, amenidades e agenda social. Embora muitos casais tenha a intenção de falar sobre finanças, nem sempre conseguem levar essa conversa adiante.

As conversas sobre sonhos muitas vezes são vagas. Não existe um compartilhamento integral dos desejos de cada um de maneira a unir esforços e planejamento para alcançar esses objetivos.

E nesse caso, o dinheiro coloca em xeque o que não está dito!

Não é sobre dinheiro mesmo quando parece ser. Todos nós trazemos uma história da nossa família de origem. A maneira como cada um de nós foi educado, a criação que recebemos, os estilos de vida influenciam o nosso modo de se relacionar com o mundo. É comum trazermos para a relação a dois traços adquiridos na nossa família de origem. Algumas vezes existem diferenças importantes. E, especificamente quando uma das partes se incomoda com o perfil da outra as dificuldades podem complicar a relação. Nesses casos o que de fato pesa são hábitos e comportamentos.

Dinheiro como sabotagem. Da mesma forma que o dinheiro evidencia o caos, ele pode ser usado para nos manter inertes numa vida sem sentido. Às vezes esse processo é inconsciente. É quando podemos comprar coisas e momentos, mas não podemos suprir as relações com sentimentos genuínos. Nesse caso há abundância de agrados materiais e há escassez de dedicação, zelo, aconchego e presença integral. Funciona mais ou menos como um cala a boca, sabe?

“Certa vez conheci um casal que se amava muito. Os dois tinham atividade profissional. Ela profissional liberal e ele empresário. Ele viaja demais para atender a compromissos profissionais, e mesmo quando estava na cidade a agenda era bem tumultuada e a conexão full time. Ele alegava levar essa rotina porque o momento exigia e apesar de amá-la e ser super fiel não percebia que a falta de presença e conexão real comprometia a relação a dois. Para compensar, com a melhor das intenções ele a presenteava com frequência e programava lindas viagens. Ela de fato ficava muito feliz com a possibilidade de passar uns dias exclusivos com ele e curtia muito a ideia. Porém já no avião de volta, os sentimentos de vazio e solidão começavam a dar sinais.

Ela sabia que a rotina voltaria e o que ela realmente gostaria seria ter sua presença mais frequente. Ah, e também que quando acontecesse fosse integral, sem interferências frequentes para acesso ao celular corporativo. Certa vez ela questionou o porquê de tanta correria, e a justificativa era sempre a mesma. A de que ele precisava cumprir essa agenda e alcançar os objetivos da empresa. Ela frustrada, apesar de entender e apoiar, se pergunta: “e os nossos objetivos? Como ficam? ”.

Você que leu até aqui, deve estar se perguntando: Afinal como não cair nas situações acima? Pessoal, eu sei que não tem fórmula pronta de execução. Mas, o que é fato é que na vida a dois temos que compartilhar nossos sonhos, objetivos e nossos projetos prioritários. É importante que tenhamos nossa individualidade, afinal é isso que nos faz ser quem nós somos. Mas a partir do momento que existe um casal, existe uma família e ela deve ter unidade.

Devemos cuidar de ter claro nossos sonhos, objetivos e projetos. Mas precisamos enquanto casais ter também os sonhos, objetivos e projetos em conjunto. Precisamos conversar sobre isso. O outro precisa saber a nossa forma de ver a vida e se relacionar com ela. Alinhar expectativas é muito importante para a vida do casal e principalmente no que diz respeito a finanças. Independente do modelo da família. Seja um casal em que os dois trabalham, ou que apenas um. Mesmo que existam diferenças importantes de patrimônio entre as partes ou não.

O que é necessário é ter objetivos comuns. Unir forças para alcançar esses objetivos. Nada é mais maravilhoso do que partilhar sonhos e contribuir para a realização deles.

Mesmo que existam diferenças provenientes do nosso sistema de origem podemos buscar valores em comum o que facilitará a mudança de hábito e o caminhar na mesma direção.

Bora falar de finanças em casa? Falar com propósito? Conhecer um pouco mais do outro? Sobre seus sonhos? Isso é lindooo! Com certeza tudo terá mais sentido.

Se você tem uma maneira legal de tratar o assunto na sua casa e quiser compartilhar eu vou amar! Adoro histórias reais!

Beijos e até a próxima!!! 😉

a autora

Karina Valadares

Mãe, esposa, profissional de finanças e empreendedora. Dedico minha vida à consultorias financeiras pessoais, assessoria de investimentos e organização de rotina.

saiba mais